Páginas

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Fim dos direitos autorais ou a Era do acesso aberto

A proposta de fundo do fim dos direitos autorais, em algumas correntes de pensamento, é que o autor produz um conhecimento a partir do que "aprendeu" a vida toda (ou até antes, no inconsciente coletivo, para ficar somente na psicologia e não entrar em esferas paranormais) e por isso ele não pagou nada a ninguém e portanto não pode ser remunerado. A questão prática que fica ainda é: mas as horas trabalhadas devem ser remuneradas.
Já na produção do conhecimento científico não há essa remuneração. As horas trabalhadas são pagas por alguma instituição de pesquisa, universidade ou centro de pesquisa de uma empresa, e não há direitos autorais sobre o conhecimento produzido. A não ser que o conhecimento produza alguma patente, que pode ser registrada, geralmente em nome da instituição ou empresa. Os artigos em revistas científicas são pagos e os direitos são da editora. Mas já há muitos de acesso livre. A rede Scielo (www.scielo.org) é uma destas e envolve vários países iberoamericanos. E já há o repositório gratuito de livros, uma parceria de instituições brasileiras (books.scielo.org), onde os registros bibliográficos serão operados sempre em acesso aberto, de acordo com a opção CC-BY. Esta atribuição permite que os registros bibliográficos sejam compartilhados para uso nos mais diferentes serviços, com a condição de que o livro original seja referenciado apropriadamente.
(A ser melhor elaborado)